Arquivo | fevereiro, 2014

Amor e leveza

13 fev

Há alguns dias, discuti com minhas melhores amigas. Pessoas que indiscutivelmente amo e que me amam.

O motivo da briga? Segundo elas: o amor que sentem por mim. Na minha opinião? o amor que sentem por mim.

Quando as pessoas oficialmente se amam, preocupam-se umas com as outras.

Quando as pessoas se amam, são permitidos os conselhos, estas belezinhas da família do amor, que na verdade não passam de opiniões cheias de intromissão e julgamento.

É preciso cuidado para que este amor, do qual deriva a intimidade, venha a tornar-se um fardo, carregado de julgamentos disfarçados de preocupação. Queremos o melhor para nossos amados amigos ou amantes e em alguns momentos passamos dos limites e deixamos de respeitar o livre arbítrio do outro. Queremos indicar o melhor caminho, ler seus pensamentos, traduzir seu inconsciente e fazê-lo enxergar a verdade. Mas não podemos esquecer que as coisas nunca são como são. Elas são como cada um de nós enxerga e existem tantas possibilidades diante de cada escolha…

Não digo aqui que devemos permanecer calados diante das cagadas óbvias. Há cagadas com possíveis graves consequências e nesses casos, os conselhos podem até não ser bem vindos, porém são necessários, quase uma obrigação decorrente do amor. Só que, cá entre nós: 70% dos conselhos e opiniões poderiam ser eliminados da face da terra.

Tenho certeza que as relações humanas emagreceriam alguns bons kilos e a vida ficaria bem mais leve!

Falamos tanto em preconceito e julgamentos, mas normalmente olhamos primeiro para o outro, antes de olharmos para dentro de nós mesmos. O pensamento que julga deve ser eliminado, permanecendo apenas o pensamento que ama.

Eu tenho tentado e já adianto: é difícil prá caralho.

beijo gay, novela das oito

1 fev

Ontem rolou o primeiro beijo gay em uma novela da globo.

E sim, a novela cumpre um belíssimo papel. Atinge pessoas que nenhum outro programa de televisão atinge e provoca mudanças, mesmo que quase imperceptíveis em um primeiro momento.